A exposição fotográfica, Direito à Vida: Histórias sem Fronteiras, trata de destacar e valorizar as peculariedades de muitas culturas e modos de vida.

 

Neste mundo, tantas vezes intolerante,  busco abrir olhares sobre a diversidade cultural tentando dismistificar  e destruir estigmas. Quizá, transcender fronteiras para o autentico encontro com o homem na sua totalidade.

 

A busca por experiências, aliada a minha câmara fotográfica, foi o que sempre me impulsionou e me levou para tantos lugares,  aproximando-me de pessoas distantes e diferentes a mim.

 

A experiência quando nos toca, nos desacomoda, transforma e reconfigura. Para isso é necessario ter um olhar sem fronteiras. 

Virgínia Maria Yunes é uma fotografa independente de sistemas de poder.  Com um olhar poético, livre de fronteiras ou muros políticos, físicos ou ideológicos, há mais de vinte anos ela habita lugares e se deixa habitar por eles. Ao dirigir sua lente fotográfica a vida cotidiana de pessoas que encontra nos (des)caminhos de políticas que tentam impor a padronização ocidental, suas fotos nos contam histórias de pessoas que almejam o prazer da vida nas pequenas tarefas do cotidiano.   

 

A exposição “Direito à Vida: Histórias sem Fronteiras”, ora apresentada na galeria Stay Galery, Virgínia Maria Yunes divide seu olhar com o público e nos permite percorrer lugares e culturas que preservam “o direito à vida”.

                                                                             Célia Antonacci

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • Google+ - Grey Circle